"A primeira qualidade do caminho espiritual é a coragem. O mundo parece
ameaçador e perigoso para os covardes. Estes procuram a segurança mentirosa de
uma vida sem grandes desafios, e armam-se até aos dentes para defender aquilo
que julgam possuir. Os covardes acabam construindo as grades da própria prisão".
(Ghandi)


segunda-feira, 25 de abril de 2011

Teste / Avaliando a V-Strom 650

Vamos aos comentários sobre a v-strom 650
O nome V-Strom é uma combinação da letra "V", referenciando o motor em V que equipa a motocicleta, com a palavra alemã "Strom", que significa "em linha", ou "corrente", dando sentido de imponência e invencibilidade ao nome da moto.

A moto é fabricada em Toyokawa no Japão.

Motor

Técnica: O motor é de 4 tempos, 4 válvulas por cilindro, acionadas por duplo comando no cabeçote, refrigerado a liquido e 2 cilindros dispostos em V a 90º, com diâmetro de 81.0mm e curso de 62.6 mm. Cilindrada: 645cm3, Potência: 67 HP (métrico) a 8.800 rpm, Torque: 6,12 kgfm a 6.400 rpm, Taxa de Compressão: 11,5:1

Eletrônica do motor:

A DL650 possui um sofisticado sistema eletrônico de gerenciamento do motor, que controla a partida e o acelerador. O módulo de controle do motor (ECM) lê as informações do motor, tais como temperatura do liquido de arrefecimento, posição do acelerador, RPM e queima de combustível, e através de uma CPU de 16 bits, controla a alimentação dos dois corpos de injeção eletrônica, contribuindo para acelerações vigorosas até 10500 RPM (limitação eletrônica de rotação)

Comentário: O motor foi herdado da SV650, desenvolve bem gerando 67 HP (Horse Power) de potencia, uma moto dócil de pilotar, com seus 645cm³ é capaz de chegar aos 200km/h (ainda não testei a velocidade final), para quem gosta de velocidade, sugiro sua irmã mais velha, a DL1000, pois a partir de 140km/h o ponteiro continua subindo mas não tem muito torque.

Nada como uma moto de 2 cilindros, pouca vibração e folga nas machas com isso temos um motor bastante “elástico”, mantendo o RPM baixo.

Levando em conta a relação velocidade, distancia e consumo estou muito satisfeito e acho que o motor esta de acordo com a proposta da moto .


Sistema de Transmissão:

Existem 3 tipos de transmissão para motos:
1- Corrente
Uso: Maioria das motos.
Prós: Perda mínima de potência.
Contras: Manutenção freqüente (ajustes, lubrificação e troca)

2- Eixo Cardan:
Uso: Geralmente motos de grande porte.
Prós: Praticamente indestrutível, não requer manutenção.
Contras: Perda excessiva de potência e peso do conjunto.

3- Correia Dentada.
Uso: Geralmente nas motos Harley Davidson e Buell.
Prós: Perda de potencia pequena, manutenção menor.
Contras: Custo.

O sistema de transmissão da V-Strom é por corrente (DID525V8, 118 elos), possui um cambio manual, sequencial, 6 velocidades.

Comentário:

Eu estava acostumado com uma moto monocilíndrica e com 5 machas, agora estou sorrindo atoa, por ser bi-cilindrica, a V-Strom tem as machas “longas” evitando ter de trocar de macha toda hora, a 6 macha também ajuda bastante dando folga para o motor, a 120km/h estou a 5500rpms


Dimensões/Medidas:

Comprimento: 2.290 mm

Largura : 840 mm

Altura: 1.390 mm (parabrisa na posição padrão)

Distância mínima do solo: 165 mm

Distância entre eixos: 1.555 mm

Altura do assento: 820 mm

Peso seco: 194 kg

Peso Bruto Total Máximo: 420 kg

Comentário:

A primeira vista o seu tamanho impressiona, ela parece ser maior do que realmente é, mas na pratica ela não é tão grande assim, fazendo um comparativo a minha xt660 tinha largura total de 845 mm e a V-strom 840mm, da pra andar nos corredores tranquilo, o que tem me incomodado mesmo é a distancia livre do solo, apenas 16cm, isso mostra sua tendência para asfalto, é muito baixa, pega em quebra-molas altos e o pior é que logo abaixo tem o cano da descarga e o link da suspenção, fico na duvida entre colocar um protetor ou não colocar, por um lado vai proteger as peças por outro a moto vai ficar ainda mais baixa.

Pneus:

São da Bridgestone, modelos TW 101 e TW152, que são de uso misto, mas privilegiam o asfalto. Roda dianteira raio 19, 110/80 e traseiro raio 17, 150/70. Ambos sem câmara.

Suspensão:

DianteiraTelescópica de amortecimento hidráulico de 43mm de diâmetro e 110mm de curso, mola helicoidal, com ajuste de pré-carga da mola.

TraseiraBalança tipo link de monoamortecimento hidráulico de 100mm de curso, mola helicoidal, com ajuste de pré carga da mola, ajuste de força de retorno.

Comentário:

Os amortecedores permitem um amplo ajuste, e deixam a moto ideal para qualquer situação, porem as regulagens não são tão praticas e funcionais como nas GS 1200, precisa de ferramentas e um pouco de conhecimento, na pratica você acaba deixando em uma regulagem que sirva para todos os tipos de terrenos e situações, a única regulagem que você pode operar sem muito trabalho é a pré-carga do amortecedor traseiro, basta girar, com a mão, a tampa do tambor que há na lateral da moto, bem onde é a pedaleira direita do passageiro. Você pode ainda regular a pré-carga da mola das bengalas dianteiras, e o ajuste hidráulico do amortecedor traseiro. De um modo geral a moto é bem macia.

Freios:

Freio dianteiro: Duplo disco flutuante e ventilado, de 310mm, mordidos por pinças deslizantes de 2 pistões cada.

Freio traseiro: Disco ventilado, mordido por pinça deslizante de 1 pistão.

Comentário:

Sabe aquele ditado “aprecie com moderação”? é isso ai, a moto freia bem, mas na falta do ABS é melhor prevenir, e todo cuidado é pouco, quando o assunto é freio vale o de praxe, cuidado com pista molhada, evite frenagens fortes em cima das faixas pintadas, pneu quente freia melhor do que quando frios, nada de abusar do freio dianteiro, não abuse do freio durante uma curva, se possível frei antes, nas estradas evite a faixa suja da pista, etc...

Eletrônica:

Ignição CDI/ECU

Partida Elétrica

Bateria 12V 10AH

Saída do Alternador 400 W

Farois 12 V 55/60W x2 H4

Comentário:

O farol é muito bom, ilumina bem.

Considerações finais:

A moto é fantástica, boa posição de pilotagem, tem um porte imponente e que oferece excelente estabilidade, boa aero dinâmica, a bola cumpre seu papel para proteção aerodinâmica, com 3 ajustes que o fazem ficar mais alto ou mais baixo em ate 50mm transformando a pilotagem mais confortável, apesar de eu ter 1,95m a moto veste bem, os joelhos ficam dobrados demasiadamente (isso resolvo com uma pedaleira avançada nas viagens longas), o painel tem muitos recursos . Possui dois grandes instrumentos analógicos, sendo um velocímetro no lado esquerdo e um RPM tacômetro no lado direito. Ao centro, um visor LCD completa o painel com um medidor de nível de combustível e um medidor de temperatura do liquido de arrefecimento (ambos em formato de barra vertical), um odometro total e dois parciais, e um relógio digital. Ao centro, uma grande luz que acende quando há alguma anomalia com algum dos sistemas da moto. Outras luzes ficam na parte superior do painel, são elas o indicador de Neutro, de farol alto, de pisca direito e de pisca esquerdo. Estou muito satisfeito e acredito que na faixa de preço essa é a melhor escolha custo beneficio.

Pontos negativos:

-Radiador de óleo muito exposto

-Pouca altura livre do solo

-Borracha da pedaleira traseira é presa com uma colinha fuleira e já soltou.

3 comentários:

  1. Irmão,

    É uma comparação absurdo, mas minha Sempronia, tadinha, para chegar a 120 vai para os 7000 rpm, aí que dó...

    abs,

    Nilson Soares

    ResponderExcluir
  2. Olá Guilherme.
    Excelente post, completo e com suas impressões como proprietário, o que ajuda muito em uma escolha.
    Tenho uma também 2011/2012, que peguei em Janeiro/2012. Ela está com 26.000 Km, uso-a diariamente e viajo muito.
    A minha possui todos os acessórios e chamo a atenção para dois comentários que você fez:

    1) Distância livre do solo: Apesar de ser baixa, de fato, uso o protetor de cárter em minha moto e a moto não fica tão mais baixa. Prefiro ralar o protetor em lombadas altas.

    2) Banco baixo, obrigando a flexionar demais as pernas: Também sou alto. Tenho 1,90 m. Moro em São Paulo e fui buscar a moto em Aracaju/SE. Foram 2.400 Km horríveis por esta questão do banco baixo. Pensei até em vender a moto. Ao chegar em São Paulo, resolvi o problema. Troquei o banco pelo da DL 1000. A área do acento do piloto é em torno de quatro dedos mais alto. A diferença é incrível, trazendo pleno conforto.

    Boa sorte com sua máquina.

    ResponderExcluir
  3. Tenho uma 2010, estou gostando muito. Acredito que a Suzuki deveria colocar um indicador de 6ª marcha no painel, seria muito útil.

    ResponderExcluir